Páginas

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

O REINO, SHALOM E A MISSÃO

                   O reino de Deus é um tema importante da missão de Deus. O reino de Deus se refere a “Seu reinado, Seu domínio, Sua autoridade.”[1] Portanto, o evangelho do reino é um chamado às pessoas pecaminosas através da fé e do arrependimento a se submeterem ao senhorio  de Jesus Cristo. O mistério do reino é que ele foi inaugurado com a primeira vinda de Cristo e chegará a sua plenitude definitiva na Sua segunda vinda.[2] Entretanto, Cristo atualmente reina no céu e, pelo poder do Espírito, continua Sua obra na terra através de Seu corpo, a igreja.

                   A igreja não pode dar origem ao reino, mas constrói para o reino confiando que Deus um dia retornará e terminará a tarefa. N. T. Wright vê uma correlação direta entre essa construção do reino e o papel do homem como vice-regente de Deus antes da queda. Seu entendimento é que, sendo Deus o criador, Ele escolheu trabalhar através do portador de Sua imagem para dominar sua criação. O homem seria o mordomo para Deus no projeto da criação.[3] Igualmente, quando o homem é redimido e assim se torna um cidadão do reino, Deus o usa para construir o reino.[4] Esse entendimento do reino e do papel da igreja nele leva a um entendimento integral da missão da igreja. Essa é uma missão que inclui a realização do viver prático dos princípios do reino e o esforço de alcançá-los globalmente da mesma forma que Cristo o fez. 

                   O termo do Velho Testamento shalom, que significa “paz, plenitude e bem”[5] é frequentemente usado no que se refere à teologia da missão. O termo é usado em Jeremias 29:7, onde Deus está ordenando aos exilados construírem casas e tomarem esposas na Babilônia. Percebendo que durante o exílio essa seria a casa deles, o Senhor os manda buscar shalom, ou o bem da cidade. Como discutido acima, a igreja deve procurar trazer todas as áreas da vida e da sociedade para estarem sob o reino de Cristo. Ao fazer isso, a igreja está buscando espalhar shalom. Isso não é feito por um movimento político ou por rebelião armada, mas pela negação de si mesmo e pelo carregar da cruz de acordo com o exemplo de Cristo.


[1] George Eldon Ladd, The Gospel of the Kingdom [O Evangelho do Reino], Perspectives On the World Christian Movement: A Reader [Perspectivas sobre o Movimento Cristão Mundial] , ed. Ralph D. Winter and Steven C. Hawthorne, 4a ed. (Pasadena, EUA: William Carey, 2009), 85.

[2] Ladd, The Gospel, Perspectives, 87.

[3] N. T. Wright, Building for the Kingdom: Our Work is Not in Vain [Construindo em Prol do Reino: Nosso Trabalho não é em Vão], Perspectives On the World Christian Movement: A Reader, ed. Ralph D. Winter e Steven C. Hawthorne, 4a ed. (Pasadena, EUA: William Carey, 2009), 96-97.

[4] Wright, Building for the Kingdom, Perspectives, 97.

[5] Brian Woolnough e Wonsuk Ma, eds Holistic Mission: Gods Plan for Gods People [Missão Integral: o Plano de Deus para o Povo de Deus], ( Eugene: Regnum, 2010), 6.

Nenhum comentário:

Postar um comentário