Páginas

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

ABRAÃO, O ÊXODO E A MISSÃO

        A missão de Deus em redimir sua criação caída é um fio tecido através das Escrituras. Dois textos primários que lidam com a missão de Deus no Velho Testamento são o Pacto Abraâmico (Gn 12:1-3) e o Êxodo (Ex 12:33-42). Embora o Senhor demonstre seu desejo de resgate em passagens anteriores, ao ir ao Jardim procurar por Adão e Eva depois da queda (Gen 3:8-9) e o Proto-evangelho (Gen 3:15), essas duas passagens esclarecem mais especificamente o plano de salvação de Deus.
        Depois de Gênesis 3, a criação rapidamente começa a mostrar os resultados da rebelião de Adão. Imediatamente todas as relações na terra estão corrompidas. A comunhão com Deus é quebrada e o homem se esconde dEle. Homem e mulher estão envergonhados e, por fim, o conflito se torna natural em seu relacionamento, como um resultado da maldição de Deus. A terra é amaldiçoada e não responde mais como deveria ao cultivo do homem. [1]  Mais do que isso, o homem continua em sua rebelião e ergue a Torre de Babel, resultando no julgamento de Deus ao confundir as línguas dos homens e dispersá-los. 
         A criação de Deus parece estar fadada à destruição.  O que havia sido declarado como sendo bom está agora sofrendo pela queda e pela maldição e julgamento resultantes. Nesse contexto, Abraão é “representado como um ‘novo Adão’, a ’semente de Abraão’, como um ‘segundo Adão’, uma nova humanidade.” [2] Deus começa novamente a trabalhar na criação através desse homem. Assim em Abraão “o reino revelado na criação e rejeitado por Adão e por Eva é restabelecido e começa seu avanço.” [3] O Senhor promete a Abraão que este irá se tornar uma grande nação e que Deus o abençoará de modo que ele será uma benção.
        O Senhor não escolhe Abraão para seu próprio benefício. Antes, Deus deseja abençoar as famílias da terra através dele. Isso marca o começo de uma nova era do plano de resgate de Deus. Ele vai, agora, trabalhar através desse homem e de seus descendentes (Israel) a fim de que seu resgate possa ser realizado. Por fim, a semente da mulher, citada em Gênesis 3:15 chegará através da linhagem de Abraão, e todas as nações do mundo serão abençoadas nele. Até a plenitude dos tempos chegar, Deus se revelará às nações através do compromisso de seu pacto com Abraão. 
         O Senhor mantém sua palavra e, de fato, abençoa Abraão com um filho, Isaque. Muitos obstáculos são superados na história do povo de Deus e a promessa de Gênesis 12 continua segura. Entretanto, a promessa está mais uma vez em risco quando o povo de Deus se encontra sob opressão no Egito. Eles entraram na terra de favor (Gn 47:5-6); entretanto acabaram sendo escravizados pelos egípcios (Ex 1:10-11). Além disso, com a ordem do Faraó de matar os filhos nascidos de mulheres hebréias (Ex 1:16) a promessa está mais uma vez em risco de ser frustrada.
         Através da proteção providencial de Deus para com o bebê Moisés, levantando-o como o líder dos hebreus e usando-o para trazer muitas pragas para o Egito, o Senhor trabalha para libertar seu povo da escravidão e da opressão (Ex 2:11). Em Êxodo 12, a última praga foi anunciada e Deus dá instruções para os judeus seguirem de modo que serão ignorados e não sofrerão a morte de seus primogênitos.  Ao fazê-lo, as pessoas são instruídas a colocar sangue de cordeiro nas laterais e nas vigas superiores das portas de suas casas. Essa é uma ilustração e uma revelação adicional do sacrifício do Messias que viria. Esse evento é tão significativo que o calendário hebreu é reorientado em torno dele (Ex 12:2) e uma festa anual memorial é proclamada (Ex 12:14).
        Israel é tirado do Egito com grande pressa (Ex 12:33) e uma multidão de outras pessoas vai com eles (Ex 12:38). A promessa de Deus de abençoar todas as pessoas da terra através de Abraão “recebeu outro cumprimento com esse enxame de estrangeiros que estavam impressionados com o poder de Deus o suficiente para deixar o Egito com Israel.” [4] O Senhor continua a preservar sua promessa a Abraão. A nação de Israel cresceu potencialmente para 2 milhões de pessoas. [5] Eles tinham mais uma vez sido libertos da adversidade e, no processo, uma multidão das nações veio a conhecer o Deus de Abraão. Está claro que Deus está trabalhando através dos descendentes de Abraão para realizar sua missão entre as nações.


[1] Christopher J. H. Wright, The mission of God: Unlocking the Bible’s Grand Narrative [A missão de Deus: Descobrindo a grande mensagem da Bíblia] (Downers Grove: IVP Academic, 2006), 195.

[2] Frank E. Gaebelein, ed. The Expositor’s Bible Commentary [Comentário Bíblico Expositivo], vol. 2. (Grand Rapids: Zondervan, 1990). 112.

[3] A. Scott Moreau, Gary R. Corwin, and Gary B. McGee, Introducing World Missions: A Biblical, Historial, and Pratical Survey [Apresentando Missões Mundiais: Uma Pesquisa Bíblica, Histórica e Prática] (Grand Rapids: Baker Academic, 2004), 32.

[4] Gaebelein, The Expositors, vol. 2, 380.

[5] Ibid, 379.

Nenhum comentário:

Postar um comentário